21 de janeiro de 2010

Rotas

Paixão é estrada longa
Que percorro nas curvas
Do seu corpo molhado

Meu suor é chuva
Que molha seu corpo
Ao longo da estrada

Seu corpo é mapa
Escrito em braile
Que me guia

Entre o vale dos seus seios
Para atalhos do prazer,
Perto da perdição.

22 comentários:

Glauco Guimarães disse...

Uau... Acrescentaria os sinais do corpo, as pintinhas. São como estrelas!

Mariana Andrade. disse...

é labirinto em que me perco sempre, e ainda insisto em entrar.

beijos.

Erica Ferro disse...

Perdição, paixão... Tudo a ver, não?

:*

Marcel Hartmann disse...

Paixão é estrada longa sem pit-stop.

Jéssica disse...

Muito legal, me lembrou os poemas de um livro de Pablo Neruda que tenho aqui, um tanto naturalista (como esse).


;**

Andrey Brugger disse...

Te ler às 23:22 é pedir para dormir em nuvens!

Moça, não sei se és realmente sem sal (não te vejo assim). Contudo, sei que é doce. Daqueles que engordam o coração.

Linda nas palavras e na vida.
beijo

César Fernández disse...

Gostei (:

Tiago Moralles disse...

Em cada esquina um sussurro.
Em cada reta um gemido.
Colisão de corpos eu diria.
Adorei, batida perfeita.

Dandara disse...

Eu gosto de me arrepiar com a escrita em braile mais do que causar arrepior.

Mais um imundo no mundo impuro. disse...

Fodah!

É nessa "estrada para perdição" que eu quero me perder...

Abraços

Brenda Matos disse...

Paixão é perdição.

Nadja Reis disse...

Lindo poema.

Tiago Fagner disse...

Por que o caminho da perdição parece sempre tão tentador???? ^^
Gostei das pintas-estrelas de Glauco hahaha.

Nat, temos q marcar fevereiro enh. Bju moça!

Charlie B. disse...

Ui ui ui,

"Entre o vale dos seus seios..."

Ousada e inesperada, adorei.
Como Ti diz, o caminho da perdição é tentador, uma delícia perigosa, ai ai, viajei nos vales nesses versos, literalmente.

beijo,

Charlie B.

Márcio Vandré disse...

Amor.
Sinfonia ofegante das madrugadas.
Um beijo, Natália!

Eu, Thiago Assis disse...

muito bem feita a ligação entre as estrofes.
corpo molhado - chuva - estrada - mapa

isso que é lirismo =]

Vinícius Remer disse...

Lembrou-me uma música da Ana Carolina - Eu que não sei quase nada do mar (se não me engando) "Te achei na beira de você me achar" Adoro ler tudo que tem amor e adoro viver também

César Fernández disse...

Ah, você conseguiu! :D

Erica Vittorazzi disse...

Demais, amei, Natália!!! Como vc escreve bem....

Nasca disse...

o vida em palco eu dei um tempo.. volto assim que achar sentido pra ele ;p

e você não me responde mais no last fm.. ;/


:**

Uriálisson disse...

belas,as curvas desse poema

Luciana disse...

no minimo, excitante ;)

Quem me segue (se perde comigo)