26 de setembro de 2009

Triângulo amoroso

João amava Maria que amava Pedro que amava Maria também.
João morreu afogado
Pedro teve um infarto.
João doou o coração para Pedro
E foram todos felizes
Maria, Pedro e João.

14 comentários:

Marcelo Mayer disse...

um poema em homenagem a layla, deusa egípcia do triângulo amoroso.

Natália Corrêa disse...

hahaha exatamente!
Layla have really something!

Erica Ferro disse...

Quando se ama, se quer bem - mesmo que esse bem não seja nós quem o fazemos, não diretamente.

Gostei muito do poema, tem uma beleza e significado grande nele.

Olha, nem preciso dizer a alegria que me dá te ver sempre no meu cantinho, não é?
Acho que eu já agradeci um monte de vezes, ou não, mas, de qualquer forma, agradeço novamente - não me canso.

Volte sempre!
Beijo.

Pantera disse...

Lembrei daquele poema do Drummond, "Quadrilha", um excelente poema, aliás.


http://paralaxehiperbolica.blogspot.com

César Fernández disse...

O_O

Katrina disse...

Nesse triangulo eu morreria de cirrose hepática

=**

Matheus N. disse...

ual, que foda!
gostei deveras.. e Pedro agora é o dobro de amor :*

Kristina Mendonça disse...

Lembrei do poema de Drummond também ... mas ficou bom assim mesmo. Condiz bem a injustiça do sentimento que é imanipulável (:

Tiago Fagner disse...

Mais uma vez sua maneira peculiar de ver o mundo acaba em poesia! ^^

Marcos Satoru Kawanami disse...

sinceridade: a paródia saiu melhor do que o original.

aliás, saiu mais original que o original.


A PEDRA DE NEWTON
a Carlos Drummond de Andrade

No meio do caminho tinha ein Stein,
tinha ein Stein no meio do caminho.
Nunca me esquecerei desse acontecimento
na vida de minha Física tão Clássica.
Nunca me esquecerei que no meio do caminho
tinha Einstein.

Marcos Satoru Kawanami

.

Lucas Lima disse...

Parece o filme 21 gramas, rs
bons dias

Rafael disse...

AHuhuAh
Que legal! Muito linda essa história mesmo. Romanticamente trágica.
bjs

Carlo 'Charlie' disse...

Oh... trágico e fofo, Nate ^^ gostei. Gosto da sensação que fica (em mim) depois de textos como esse, uma inércia reflexiva, com um sorriso triste e belo no rosto.. Bonito, Nate, parabéns.

Carlo disse...

Ah... o Charlie foi errado >< Bem, foi.

Quem me segue (se perde comigo)