30 de janeiro de 2009

Insônia

Esta sombra que me esconde
É a noite que me come
E some dentro de mim

Esta lua que me acorda
É corda que me enforca
É força que me força
Àbrir os olhos no escuro

Este muro que me cerca
Esta vara que me pesca
- para fora do sonho

É o sono que me escapa
É o eclipse da mente
E o despertar da alma.

14 comentários:

●๋• тнαi иαรciмєитσ disse...

O pior de ter insônia é que muitas vezes você não fica só rolando na cama, mas começa a pensar naquelas coisas importantes da vida, que não têm respostas.
Pelo menos pra mim isso é o que cansa.

Gostei muito do poema, já passei por noites assim.

Jéssica Trabuco disse...

Gostei do seu poema... :)

Uriálisson disse...

muito bom teu poema!curti mesmo

Rafael disse...

É o despertar da alma, oh yeah
bjs

Danilo Augusto disse...

lindinho

Nat disse...

Vamo parar de tomar café aí e dormir né? :D
Sério, não entendi uma coisa:
Eclipse da mente = fecha a mente, apaga...tudo bem
mas e a alma desperta?
me explica?

Márcio Vandré disse...

E a dança continua. As luzes não param de pairar. Quase vagalumes. Quase sentimentos que podemos tocar...
Um beijo!

Flora Leite Freire disse...

Adorei! Pra mim esse é uma poema raro, do jeito que eu gosto.=) simples e que traduz muita coisa.

Clara disse...

gostei da sonoridade, gostei da poesia...
voltarei para ler mais
um beijo

Erica Vittorazzi disse...

Odeio quando a insônia me pesca...


beijos

Geni Laís disse...

me encanta.

Marcel Hartmann disse...

queremos mais escrita de qualidade, como a tua :)

Flá Costa* disse...

Com certeza, uma descrição perfeita e poética sobre minhas noites de pura insônia. Pobre de nós.

Adorei.

Beijinho

Vanessa Romão disse...

Gosto de pensar que insônia é o sonho que não dorme, assim eu sonho acordada.

:*

Quem me segue (se perde comigo)