22 de março de 2009

Homem fiel

Ele estava completamente concentrado em seus relatórios diários quando bateram à porta. Parou por um instante, elevando um pouco o queixo, depois voltou a escrever.
Novamente, bateram à porta.
– Senhor, posso entrar?
Era uma voz feminina, quase sensual. Melíflua, parecia que deslizava nos ouvidos dele. A famosa voz de travesseiro, que, como se feita de pluma, se abraça com o vento e fica dando voltas e voltas até finalmente cair (ou sumir – como um sussurro).
Mesmo sentindo-se tentado, ele se limitou a um “uhum”. Não tinha tempo para comportamentos adolescentes, apesar de sentir-se altamente excitado com a idéia de ter um caso com sua belíssima secretária. Além do mais, era um homem casado, não deveria prestar-se àqueles pensamentos infames.
Ela entrou na sala. Usava uma saia justa – na altura do joelho – e um suéter carmesim. Tinha os cabelos presos, mas alguns fios escapavam ao penteado, emoldurando-lhe o bonito rosto, contemplado com um par de belos olhos verdes. Um semblante impecável, não fossem as olheiras escuras abaixo dos olhos e o nariz levemente corado, como quem andou chorando.
Entretanto, apesar da aparência estonteante da mulher e do impulso devastador de oferecer-lhe algum consolo, ele continuou concentrado na papelada sobre a escrivaninha... Precisava se controlar.
– Senhor, é a terceira vez que sua esposa liga. Ela parecia angustiada... Você não deveria atender a ligação?
– Não. Ela sabe que não deve me incomodar durante o trabalho.
– Mas senhor, parece ser muito importante.
– Pois diga a ela que resolveremos tudo quando eu chegar em casa.
– Mas o senhor sempre chega muito cansado em casa, e acaba dormindo durante as discussões.
– Isso não é de todo verdade. – ele disse, sem desviar a atenção dos papeis, resistindo à atração quase magnética que o decote dela exercia sobre seus olhos. – Me sirva um pouco de café, por favor.
– Realmente, é uma verdade incompleta. O Senhor dorme durante o sexo também! – ela acusou, enquanto enchia um copo na máquina de café expresso.
– Mas isso é um absurdo! Não vou discutir minha vida sexual com minha secretária.
– E sua esposa.
– O que disse?
– Sua secretária e esposa.
Ele olhou-a por cima do copo, com uma sobrancelha arqueada. Parecia furioso.
– Onde você quer chegar? Nós já combinamos que aqui eu sou apenas o seu patrão, e como tal, mereço seu respeito integral. Não posso tolerar esse tipo de comportamento, entendeu?
– Pois eu me demito!
– Está bem. Esse é seu aviso prévio? Quando pretende deixar a empresa?
– Você não entendeu, eu me demito como sua esposa!
O homem pareceu chocado ao ouvi-la, e suas feições passaram por uma seqüência de cores e expressões, entre vermelho-raiva, roxo-indignação e cinza-tristeza.
– Se é o que você quer... Mande seu advogado falar comigo mais tarde para resolvermos a questão do divorcio. Pode ir.
Ela sentiu um aperto na garganta, os olhos ficaram embaçados; a voz saiu embargada de um choro iminente, contido pelo orgulho.
– Sim senhor. Eu... – como não pudesse completar, ela simplesmente deu-lhe as costas para se retirar, mas ele a impediu.
– Espere! - chamou. - Eu e a minha esposa, nós já estamos tecnicamente separados, não é?
– Sim. Você está completamente livre, se é isso que quer saber.
E então um braço forte a envolveu de repente, e seu corpo chocou-se com o corpo másculo do homem, agora de pé à sua frente. Ele ofegava, e ela sentiu uma onda de calor subir por seu corpo quando as mãos dele pousaram-se bruscamente sobre suas pernas, e suas bocas encaixaram-se num beijo faminto, cheio de desejo.

6 comentários:

André Felipe disse...

HEHAUEAUHEUAHUEAUAHEHAEHA
muito bom!
e vei, tuas descrições... uau.

beijão.

Eduardo disse...

primeiramente quero falar sobre o post anterior... como curioso que eu sou, vc sabe q eu n ia deixar de le ne... e o q eu tenho a dizer eh: vc n tá só. nem q quisesse vc estaria, pq vc eh o tipo da pessoa q atrai amigos, vc é um imã de amigos. eu sei pq eu vejo com meus proprios olhos, vc sempre cercada de gente q te adora. e disso eu sei pq o amor q sentem por vc fica nos olhos das pessoas. vc só fica só se quiser, então n queira, se o telefone n tocar, ligue, se tiver frio chame alguem p te abraçar. pod até ser eu ;) hhauahauahauhaua
e sobre esse texto ai. vc escreve uns textos soltos, sem precedentes ou conclusões... eu gosto disso, deixa metade do trabalho pra nossa imaginação. vc jah sabe pra onde foi minha imaginação ne... texto erótico! ahauahauahuhsuahau gostei mesmo, apesar da ironia do título... beijos =*

Eduardo disse...

abri os coments no meu blog, vah lá viu?

www.dudupires-xicara.blogger.com

Eduardo disse...

eu me contradisse no comentario... disse q nem q vc quisesse vc ficava so, e dps disse q vc so ficava so se quisesse o.O vc entendeu ne...

Natália Corrêa disse...

*rindo horrores*

esse é o link certo, amor?

Anônimo disse...

Obrigado por intiresnuyu iformatsiyu

Quem me segue (se perde comigo)