16 de janeiro de 2011

Caixa postal

Er, oi. Eu sei que não deveria ligar. Você já deve estar cansado das minhas crises, das minhas cobranças. Não deve mesmo ser fácil namorar uma mulher como eu – que tem surtos. Sim, eu tenho surtos! De ciúme, de saudade, de certeza. Mas hoje, meu surto é de amor. Hoje eu te amo mais que todos os nossos velhos hojes, e sei disso porque – pela primeira vez – te amo apesar. Apesar da sua distância. Apesar da sua frieza. Apesar do seu tom maçante de quem está louco pra desligar. Andei pensando... É muito fácil amar porquê. Porque você cuida de mim, porque você me sorri com ternura, porque você me respeita e me cura de todas as minhas ressacas morais. Mas amar apesar, esta sim é a verdadeira prova de amor. Então desculpa se estou ligado outra vez. Desculpa por lotar sua secretária eletrônica e por gastar seu sono com minhas mensagens no celular. Eu não queria ser repetitiva, não queria ser tão irritante. Mas é que eu tenho surtos, meu amor, tenho surtos de você.

6 comentários:

Uriálisson disse...

as vezes só surtando achamos nossa calma. Bom ver seus textos de novo.bjo

Marcel Hartmann disse...

Você tá voltando!

Bom, eu acho que tua escrita já era madura antes. Mas toma o teu tempo, né. A gente vai estar aqui esperando :)

●๋• тнαi иαรciмєитσ disse...

Acho que valerá a pena ouvir esse recado. Bela declaração de amor, de um amor que não existe em consequência dos bons atos de alguém, mas um amor que apenas é o que é e sabe aceitar até os maus atos desse alguém.

*

Matheus N. disse...

amar apesar..

um dia a gente aprende, ô se aprende.

César Fernández disse...

Tá, eu te amo mesmo assim...

:P
(Que post mais lindo, amor!)

Ju disse...

lindo demais! parabéns (:

Quem me segue (se perde comigo)