15 de junho de 2010

Les mots de tous les jours.

Eu não me apaixono subitamente. Não que eu não acredite em amores a primeira vista ou em predestinação; estou dizendo que esses amores apenas não funcionam comigo – provavelmente por minha culpa.  Sabe, não confio muito em meus olhos. Tenho olhos de criança, tipo aqueles olhos de desenho animado, que olham para o Pica-Pau voando pelo céu e imaginam ele deliciosamente assado em uma bandeja, cheio de legumes ao redor. Eu sou daquelas que olha para o garoto que ama e vê corações pipocando por todos os lados enquanto anjinhos tocam sinos sobre nossas cabeças, mas não é daí que eu tiro a certeza do meu amor (tampouco das tremedeiras nas pernas, da falta de palavras e de ar).
Eu sei que amo porque eu me importo. Eu sei que eu amo porque eu tenho vontade de brigar quando ele faz alguma coisa absurda que coloca em risco a própria segurança. Eu sei que amo porque de manhã, quando eu acordo, eu tenho vontade de ligar só pra desejar bom dia; e a noite, quando eu volto da faculdade, eu ligo pra saber se o dia foi bom e me interesso por cada suspiro que ele deu. Confesso que às vezes ligo só pra saber se ele sentiu saudade de mim, e às vezes deixo de ligar só pra ter certeza que a saudade dele é verdadeira, e espero ansiosamente o telefone tocar. Eu sei que amo porque quando eu vou ao shopping, comprar roupas pra mim, passo muito mais tempo na sessão de roupas masculinas, imaginando como ele ficaria lindo com aquela camisa ou aquele boné. Eu sei que amo porque quando converso com minhas amigas é só dele que eu quero falar. E sempre que a gente fica em silêncio eu tenho vontade de falar freneticamente sobre como eu adoro o som intercalado das nossas respirações – mas isso faria com que eu parasse de ouvi-las. Eu sei que amo porque quando ele me diz coisas duras, ou fala comigo de forma grosseira, meus olhos se encham de lágrimas imediatamente, mas eu tento disfarçar pra que ele não se sinta culpado, afinal, eu que sou sensível demais. E quando ele precisa de mim pra alguma coisa eu ganho meu dia apenas por pensar que – por um momento que seja – eu sou indispensável em sua vida.
Eu não me apaixono subitamente. Meu amor é construído dia após dia, como uma parede feita de tijolos. E chega um ponto que a parede está tão alta e tão forte que não há vento que balance, não há furacão que derrube. Somente a chuva lava a poeira e o cimento que escorreu, e meu amor fica brilhando como se passasse verniz.

14 comentários:

Marcel Hartmann disse...

Você não se apaixona subitamente, mas quando se apaixona, se apaixona. E isso é muito bom, porque a maioria das pessoas só gosta mas pensa que se apaixona. E age com base num sentimento que não está sentindo. Mas teu texto pulsa sentimento, e é muito bom sentir isso também.

Jacqueline disse...

Quando crescer quero ser igual a você.

Danilo Augusto disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Danilo Augusto disse...

Muitos também se apaixonam assim

César Fernández disse...

Eu sei que amo porque tudo que você escreve me deixa vibrante.

(Você quer que eu use boné?)

Que post lindo amor, perfeito! :D
Te amo pra sempre.

gabriela m. disse...

amor bonito.
amor pra gente cuidar.

-

tava tão sumida, você;
bem vinda de volta ;*

BOMBA H disse...

Também me apaixono aos poucos, por acaso, por descaso.

Anônimo disse...

Como os teus textos me confortam!

Luna Sanchez disse...

Oi, Natália!

Que texto bonito, me identifiquei.

A diferença é que não acredito em amor à primeira vista. No mais, poderia dizer que reajo à paixão desse mesmo jeitinho!

Beijo.

ℓυηα

Vitória Kubitz disse...

Eu tava com uma saudade doida dos teus textos,e achei esse muito lindo.
Tenho os mesmos pensamentos do texto.
Vê se escreve mais,viu?
:D
Beijos :**

Erica Vittorazzi disse...

Como é perfeito tudo que você escreve. Lindo, Natália.


Saudades daqui!!!

D i c a disse...

Eu me enchi de alegria ao ler esse texto. Nossa, como eu sou exatamente assim!.. Uma boba quando apaixonada.


Saudade de ler você.

Uriálisson disse...

passou um tempo sem escrever,bom lhe ver de novo...muito bonito o texto,sincero e puro. As vezes esses sentimentos fazem falta..

Tati disse...

Achei incrível e doce a forma que você desenhou tudo.
Conseguiu falar/dizer que ama de todas as formas talvez clichês, sem usar do clichê - Gostei muito.


Beijos

Quem me segue (se perde comigo)