4 de dezembro de 2009

Abiótico

No meu sonho mais lunático
Moro em território desértico
Onde tudo que nasce é de plástico
Onde todo sorriso é sarcástico
E todo amor é hipotético
Porque todo sentimento é bélico
Todo cristão é cético
Todo abraço é sintético
Todo mentiroso é mágico
Todo pagode é clássico
Todo mundo é estético
E o mundo todo é estático
O sexo é prático
O afeto é lógico
O coração é cáustico
Calcificado e analítico
Feito discurso de político
De partido democrático
Que promete ser fantástico
Mas deixa o cenário caótico
Pro povo se tornar mais católico
E ajudar o membro eclesiástico
Que vai ter um encontro orgástico
Com Jesus, o menino simpático
Que tem um pai neurótico
Por querer ser poético
Em território desértico
Onde ninguém é romântico
Onde o trabalho é robótico
O tráfico é público
O preconceito é pudico
O bom-senso séptico
E o anti-séptico é técnico
Consertando o nervo ótico
Pra perder o olhar crítico
E viver no automático.

41 comentários:

Tiago Fagner disse...

Li com um sorriso nos olhos e nos lábios. Divino, arrebatador, estupendo, menina me passa a fórumla!?
Esse poema merecia ser imortalizado na voz de Bethânia... pqp!

PS: Charlie vai adorá-lo. Espere e verá!

Bju.

Tiago Fagner disse...

O outro estava perfeito, esse está perfeito e rima! Então fico com ele ^^

Pode nem ter fórmula, mas deve ter um sentimento muito forte por trás de tudo isso! Sei não, como acabei de dizer a Charlie, estou em estâse com o texto. Pau a pau com "Construção" de Chico Buarque. Parabéns viu! Continue assim!

Charlie B. disse...

Rá, eu amei isso tudo, me senti o padre nessa estrofe...

"Enquanto o padre tem um encontro orgástico Com Jesus"

genteeeeee, eu tenho um fascíneo inexplicável com esse vocabulário rebuscado..INCRÍVEL, me furtou a respiração, pode devolvê-la, Mademoiselle Corrêa!?

Natália Corrêa disse...

Charlie, eu mudei a parte que tu falou =P mas foi só porque tava achando muito longo e feio na hora de ler. O sentido continuou o mesmo! ;)

Você me roubou as palavras outro dia, lembra? Então acho que estamos empatados, rs

Mariana Andrade. disse...

uma pergunta só: vives? ou só finges?

beijo grande, flor ;*

Francimare Araújo disse...

Nossa, foi tão espetacular...
como você consegue?

Ah, não me conta!


PARABÉNS!

Felipe disse...

Meu, que maravilhoso. Tô com inveja de você, droga. E ao mesmo tempo, fico feliz de poder ler algo assim tão bom.
Não só a temática e o lirismo, o ritmo do poema é muito bom. E é uma coisa dificílima de se fazer, essa rima simples que não é pobre graças ao vocabulário. Você devia mandar publicar, pode ganhar uma grana com isso.

Pâmela Marques disse...

Esse é o sistema, infelizmente. E como robôs nós somos manipulados.

Você como sempre arrasando nos poemas. Linda.

César Fernández disse...

Você devia mandar publicar, pode ganhar uma grana com isso. [2]

César Fernández disse...

Você tá escrevendo cada vez melhor, amor, mesmo *---*

Mas acho que o seu sonho lunático foi um pesadelo, isso sim.

:*

Erica Vittorazzi disse...

Antes fosse um sonho Natália. As pessoas já vivem assim!!!! Viva o Brasil!

Glauco Guimarães disse...

É fui procurar no dicionário o que é Abiótico. Agora sim, faz sentido! Essa dança das palavras é o biótico e o abiótico em sintonia completa. Boa a sacada!

Lacobos disse...

Buena dança de palavras!
=)

E haja palavras OICO rs

Lacobos
http://dadonanet.blogspot.com

Noubar Sarkissian Junior disse...

Todo esse cuidado (trabalho - no sentido bom!) que vc teve/tem com as palavras valeu tanto, mais tanto, que elas aceitaram essa disposição belíssima e ao mesmo tempo crítica, rítmica.

O lance de usar proparoxítonas no final de cada verso me lembrou, de cara, "Construção", do Chico, e só isso já valeria o texto.

Parabéns!

P.S.: cheguei meio como um invasor, mas explico: encontrei seu blog pela página de tiago fagner.

D i c a disse...

Espetáculo!

A construção, a rima, as palavras, religião, politicagem, sentimentos abstratos, cotidiano, atualidade..
A idéia é ótima.
Adorei cada frase!

Beijos

César Fernández disse...

O sufixo 'ico' forma adjetivos com radicais gregos e alguns latinos também (:

'Pudico' também pode ser escrito 'púdico'. No Brasil e em Portugal esta palavra é pronunciada/escrita de formas diferentes, aqui é paroxítona, lá é proparoxítona. As duas formas estão corretas, você poderia usar 'púdico' para não quebrar a coisa das proparoxítonas no final de cada verso. E sua poesia está muito boa, amor. Tenho até inveja, queria escrever bem assim. :*

Marcelo Mayer disse...

que pilares fantásticos para esta bela enumeração!
paguei uma madeira!

carla l. disse...

Isso tudo foi genial, sério! Me faltam palavras.

Maria Rita disse...

quem escreveu isso? Um ser humano ou um ser sublime?

César Fernández disse...

um ser sublime

Erica Ferro disse...

Massa, Natália.
Massa demais!
VOCÊ É DEMAIS.
OMG, isso tá cheirando a tietagem.
Mas, velho, eu não tenho como falar outra coisa.
Isso ficou genial. Parabéns!

E o povo todo vive como uns robôs.
Será que há salvação?

Um beijo.

Vital disse...

achei FODA!

João Marone disse...

Hei menina!
Que bom que ainda tem gente que rima.
Faz mais uma pra mim.
Assim, com sentimento, com métrica,
sem consentimento, só estética.

Hosana Lemos disse...

o pior é que é assim...=/

disse...

Ficou foda.
Bom de ler.. fora a temática, foda, foda, fodaa. :DDD
haha

Kuriozza disse...

Fiquei muda, maravilhada com essa poesia absurda. E tem muita coisa boa para ler, aos pouquinhos que é para absorver melhor.


Adorei!
=)

Jéssica Trabuco disse...

"...viver no automático..."
Acho que é assim que hoje muitas pessoas vivem.
Me lembrou o filme Click. o.O
Gostei muito do poema... ri com "todo pagode é clássico".

:)

Alan Félix disse...

Caralho!

Esse poema está show. Menina, você é dedicada.

Publica esse poema, se um amigo meu ler,vai querer transformar em música de hip-hop.

Katrina disse...

Rapaz, estou diante de uma grande poeta. O bacana do que tem escrito é que foge do convencional, é inteligente e prende, não com laços, já passou dessa fase. Agora prende com algemas mesmo (tá, e rola um chicotinho). Independentemente do tamanho, é algo que dá vontade de reler sempre, porque instiga os pensamentos a respeito.
Parabéns mesmo. E ainda fico orgulhosa de conhecer você nat =*

Juliana Marques. disse...

gamei. :)

E.Suruba disse...

o teu sonho me lembra nárnia

E.Suruba disse...

o teu sonho me lembra nárnia

Marcel PH disse...

Pô, que foda. Me prendeu. Muito bom, parabéns.

caarol. disse...

acho que você gostou das proparoxítonas :)

Danilo Augusto disse...

Hey, mais uma vez!
Como foi no Enem? vai fazer oq na UFPE?
se for direito vc é minha concorrente... Então se for.... td o azar para vc!
Um comentário para o poema:
cacete.

gabiz disse...

ouch, não quero o automático!

Luciana disse...

Eu realmente não tenho o que comentar sobre seus textos, são no mínimo... FANTÁSTICOS!

J. disse...

Adoro como você escreve!
Parabéns!

Beijos.

Nat disse...

P E R F E I T O.
amei JESUS, O MENINO SIMPATICO.
hehehehe

Stella disse...

ADOREI !!

beijos

Stella disse...

Fantástico, estou ansiosa para ler o próximo post. Parabéns por retratar com fidelidade o mundo automático em que vivemos.

Beijos.

Quem me segue (se perde comigo)