24 de outubro de 2009

Fé cega, faca amolada

É muito fácil culpar alguém pelos erros que nós mesmos cometemos. E, em verdade, todos fazemos isso uma vez ou outra, de forma menos ou mais freqüente. Seja pelo receio do remorso, para lidar com uma dor, ou simplesmente por covardia, essa atitude é geralmente justificada pelo desejo egoísta de sentir-se melhor (mais leve). Feliz ou infelizmente, nem sempre funciona. Na maioria das vezes, conseguimos nos ressalvar apenas do julgamento alheio, mas continuamos sujeitos ao julgamento pungente da nossa própria consciência - que pode ser muito intransigente.
Entretanto, há quem faça isso tão bem, que acaba convencendo não somente os outros, como a si mesmo. Bom, enganar a si próprio é burrice [como podemos aprender com os nossos erros sem reconhecê-los como nossos?]. Mas, fazer alguém inocente acreditar que é culpado, não é muita crueldade? Se aproveitar da inocência e ingenuidade de um coração que não vê maldade em ninguém; usar a fragilidade do outro em benefício próprio... para mim, isso é inadmissível. Se é para jogar sujo, que seja com pessoas sujas, que talvez até mereçam provar um pouco do próprio remédio. Mas deveria existir uma lei que proibisse magoar as boas pessoas, enquanto as boas pessoas ainda existem.

29 comentários:

●๋• тнαi иαรciмєитσ disse...

Concordo em gênero, número e grau.
O primeiro passo para melhorarmos é reconhecer os nossos erros vários. Culpar os outros é uma burrice quase tão grande quanto culpar a si mesmo*

Marcelo Mayer disse...

já dizia meu querido dr house "todo mundo mente"
e completo que é preciso nos igualar pra sobreviver

ótimo!

Erica Ferro disse...

As pessoas andam tão dissimuladas, difícil não usar das armas delas, até, como o Marcelo disse, por uma questão de sobrevivência.

Texto ótimo.
Beijo.

Samuel disse...

Já citaram o House ai né...
E como um bom mineiro... desconfiado sou!
é triste isso... tem gente que esquece os escrúpulos em casa e não tem o menor pudor quanto a isso.... por essa razão é q eu prefiro perder o pudor com outras coisas =D

Grande abraço!

César Fernández disse...

odeio quando não entendo os seus posts

Tiago Fagner disse...

vc parece revoltado com alguma coisa! Mas é mesmo uma puta sacanagem se aproveitar da inocência das pessoas.

Jillian disse...

lindo seu texto :/ mas as pessoas são assim, hipócritas nojentas e covardes. Do jeito que andam as coisas, as boas pessoas têm o risco de desaparecer.

Flávia Ruas disse...

Fico feliz quando percebo que não sou só eu que me preocupo com isso. Concordo totalmente. E tenho medo de que chegue uma época em que as pessoas boas não existam mais...

Flávia Ruas disse...

Fico feliz quando percebo que não sou só eu que me preocupo com isso. Concordo totalmente. E tenho medo de que chegue uma época em que as pessoas boas não existam mais...

Pantera disse...

Enganar bem não serve para nada. Um dia a verdadeira causa da falha aparece e toda a enganação se desfaz como a fumaça no vento.

http://paralaxehiperbolica.blogspot.com/

Matheus N. disse...

faço votos para que essa lei exista, antes que deixemos de existir :*

meus instantes e momentos disse...

passando para te desejar uma linda semana.
Maurizio

Lucas Lima disse...

realmente encontrar pessoas com pensamentos e ideais tais, nos dão força, que precisamos e muito, pra continuar com pique,
Na hora que as boas se forem, estamos perdidos...
E sim as más estão sempre trabalhando, rsrs
bons dias

Thiago Leite disse...

Ao começar a ler o texto e percebendo o título, pensei que você fosse falar sobre a relação das pessoas com Deus. Pois no Cristianismo há essa relação fundamental (no sentido de que funda as bases dessa religião): eu peco, eu me arrependo, Ele me perdoa. A responsabilidade recai sobre a divindade.

"inocência e ingenuidade de um coração que não vê maldade em ninguém; usar a fragilidade do outro em benefício próprio..."

Não é isso que os cristão fazem com Jesus? Todos os dias eles crucificam o Cristo para se salvar, para se lavar dos erros que cometem.

Mas a maior parte da população ocidental precisa disso. Dessa forma, elas só irão até certo ponto na realização de seus impulsos destrutivos ("perdoe e deixe Deus fazer a justiça divina" - dessa forma as pessoas mantêm o ressentimento dentro de si e fingem que perdoam). É uma forma de as pessoas não materem umas às outras.

E obrigado pela visita em pequenitudes. :)

Henrique disse...

Ser humano.

É uma bosta.

Dandara disse...

É o que eu acho, viva sua vida estúpida, seja estúpido, faça suas estupidez no seu mundo estúpido. Só não não leve isso pra fora e faça alguém não estúpido entrar no seu mundinho.

Tatiane Trajano disse...

Deveria mesmo ser proibido abusar de pessoas inocentes.

=S



**esse vermelho no fundo acaba com a minha vista. depois que termino de ler fico vendo estrelinhas...rs

disse...

Amei!
Já começou me batendo na cara. haha adoro esse tipo de texto.

beijos ,moça.

Anitha disse...

É, esse é o tal do ser humano...

Boa semana pra vc! :)

Anitha disse...

É, esse é o tal do ser humano...

Boa semana pra vc! :)

Katrina disse...

Se isso pudesse se aplicar a política, muitos deles seriam exonerados de seus digníssimos cargos

Agatha disse...

Enganar para magoar os outros em beneficio próprio é cruel sim, mas não há que já não tem feito. Sim, nós somos humanos, fracos e muitas vezes egoístas. Basta cada um ter o raro bom senso pra controlar esse egoísmo que nos atinge.


Um beijo

Matheus Sobral. disse...

O ser humano vive nos deixando indignado.
Mas não vamos desistir dele (nós) ainda... ;)

Bê Matos disse...

Tocou. Lá no fundo mesmo.

Concordo contigo. Não passa de crueldade. D:

beijos

Gabriela M. disse...

É muito fácil culpar alguém pelos erros que nós mesmos cometemos

tem uma frase ( não sei de quem é e fiquei com muuuita preguiça de ir procurar ) que diz assim:
errar é humano, culpar outra pessoa é política.

~~


Mas deveria existir uma lei que proibisse magoar as boas pessoas, enquanto as boas pessoas ainda existem.

eu parei aqui.

Anah F.S. disse...

Vim agradecer pelo carinho da sua visita no meu blog e aproveito para dizer que seu texto foi abordou muito bem uma realidade muito presente

Sábias palavras:

[como podemos aprender com os nossos erros sem reconhecê-los como nossos?].


Amei

Sheila disse...

como podemos aprender com os nossos erros sem reconhecê-los como nossos?

FALOOU TUUUUUUUUUDO !

ADOREI O TEXTO.
vc escreve super bem. obrigada pela passada no meu blog, volte sempre que quiser ;D

beeijos

Luciana disse...

Pra variar, texto perfeito.

Eu, Thiago Assis disse...

e o julgamento próprio é muito mais cruel do que o alheio, hein? deitar a cabeça no travesseiro e, na hora de relembrar o dia, lembrar do que fez... o remorso é malvado.

essa Lei seria muito mais util do que muitas leis que existem por aí.
dá pena ver alguem decente sendo engano por um crápula.
é aquela ideia de que os bonzinhos sempre se f*** que acaba uniformizando todo mundo no status "desconfiar"..


ps: ainda sobre a Beatriz... felizmente não existe ninguem tao perfeito :)


www.euthiagoassis.blogspot.com

Quem me segue (se perde comigo)